Sobrou dinheiro da viagem ao exterior? Veja o que fazer com ele

Sobrou dinheiro da viagem ao exterior? Veja o que fazer com ele

Você foi para o exterior e, quando voltou, percebeu que sobrou dinheiro da viagem. E agora? Como vender moeda estrangeira aqui no Brasil? Será que vale a pena guardar a quantia e aproveitá-la em uma próxima oportunidade?

Listamos algumas alternativas de destino para o montante de moeda estrangeira que costuma sobrar de viagens. Acompanhe e descubra qual é situação mais válida para o seu caso!

Ficar com o dinheiro

Há pessoas que querem se livrar da moeda estrangeira, pois pensam que mantê-la pode gerar algum problema. Mas não é ilegal guardar dinheiro de outro país em casa, desde que não seja uma quantia alta, que precisaria ser declarada e ter origem comprovada.

Ficar com o dinheiro é uma boa ideia para quem pensa em voltar ao destino dentro de, no máximo, dois anos. Melhor ainda se a moeda for de país com economia estável (como países europeus, Estados Unidos ou Canadá), pois, por ter comprado antes, talvez você consiga uma taxa melhor do que conseguiria comprando no futuro.

É válido comentar que, eventualmente, as cédulas são atualizadas e deixam de ser aceitas fora do país em que foram produzidas. Assim, quem guarda dinheiro estrangeiro por muito tempo pode não conseguir vendê-lo no Brasil.

Vender na casa de câmbio

As casas de câmbio contam com procedimentos simples para quem quer comprar ou vender moeda estrangeira. Uma dica útil é evitar levar o dinheiro em moedas, já que as cédulas sãos mais fáceis de serem trocadas.

Atente-se, também, para qual dinheiro é esse. Dólar e euro são as moedas mais comumente aceitas. Portanto, se o dinheiro que sobrou é latino ou asiático, por exemplo, vá a uma casa de câmbio ainda no país estrangeiro e troque-o por euro ou dólar. Quando chegar ao Brasil, você os troca por real.

Guardar em cartão pré-pago

As casas de câmbio costumam oferecer a opção de cartões pré-pagos para pagamentos no exterior. Se você usou um desses e sobrou alguma quantia nele, não há tanta preocupação em manter o dinheiro no cartão.

Assim, você pode usá-lo em uma futura viagem ou pode esperar uma taxa de câmbio boa para vender o que estiver guardado nele. O cartão dá mais segurança do que ter dinheiro vivo em casa e ainda há a vantagem de não “desatualizar”, como acontece com as cédulas.

Ao contratar o cartão, é interessante prestar atenção se alguma taxa é cobrada caso ele fique sem uso por um tempo.

Repassar a conhecidos

Mais uma opção seria repassar o dinheiro, em caráter de doação ou empréstimo, a alguém que vá viajar em breve. Com certeza algum amigo ou familiar planeja passar férias na Europa, no Caribe ou quem sabe nos Estados Unidos, e precisará trocar dinheiro.

É bem mais simples para essa pessoa pegar a moeda com alguém conhecido que voltou de viagem com dinheiro sobrando. E se você doar ou emprestar dólar ou euro, com certeza ela conseguirá trocar essas moedas, independente do local para onde vá viajar.

Já sabe qual dessas opções é a melhor para você se sobrou dinheiro da viagem? Compartilhe essa postagem nas redes sociais e ajude outras pessoas que também tenham essa dúvida!

//]]>