Como funciona o imposto sobre operações financeiras — IOF?

Como funciona o imposto sobre operações financeiras — IOF?

Quando estamos de viagem marcada para o exterior, sempre escutamos recomendações sobre as melhores formas de levar dinheiro e como administrar nossos gastos por lá.

Isso é importante para que o resultado das férias não se torne uma frustração assim que as faturas dos cartões internacionais começarem a chegar. Um dos vilões dos gastos é o Imposto sobre Operações Financeiras.

Descubra, no post de hoje, o que é e como funciona o IOF.

O que é o IOF?

O IOF é o Imposto sobre Operações Financeiras, que incide sobre as transações de crédito, câmbio, títulos e seguros. Ou seja, ele atinge em cheio as pessoas que viajam para fora do país e fazem uso de cartões de crédito, débito, cheques ou compram moeda.

Como funciona o IOF?

Existem dois percentuais cobrados sobre essas operações. Para compras nos cartões ou cheques de viagens, a alíquota é de 6,38%. Já para as atividades de câmbio é de 1,10%.

Na verdade, a alíquota do IOF é diária, mas seu recolhimento é mensal. Portanto, esses percentuais podem variar um pouco, a depender do dia que os procedimentos forem concluídos.

Vale lembrar que, ao pagar a conta do seu restaurante preferido em Nova Iorque com seu cartão, o valor exato da fatura só será calculado no dia do fechamento dela e não baseado nas taxas do dia em que a refeição aconteceu. Se o dólar baixar, você sai ganhando, do contrário, vai pagar mais caro!

Para que serve o IOF?

Na prática, ele é mais um dos muitos impostos que nós, brasileiros, pagamos. Na teoria, ele serve para que o Governo identifique a demanda e oferta de operações de crédito.

Alguns defendem ainda que o IOF pode atuar na regulação do consumo, uma vez que os clientes passariam a parcelar menos ou a usar com mais parcimônia o cheque especial para evitar pagar esse imposto.

No caso dos viajantes, esse último argumento é falho, pois, apesar da cobrança da taxa, ninguém vai deixar de viajar por conta dela, mas há estratégias para economizar uma grana.

Como fugir desse tributo?

A maneira mais justa de pagar menos IOF é optando pelas operações com taxas menores. Veja a simulação de algumas operações com mesmo valor e a incidência do imposto sobre cada uma das modalidades:

  • se você compra em espécie R$ 2 mil em dólares, vai pagar R$ 22 de IOF;
  • caso compre R$ 2 mil nos cartões de crédito, débito, pré-pago ou cheque de viagem vai pagar R$ 127,60 de IOF.

A diferença dos custos das operações é grande. Portanto, atualmente, a melhor forma de economizar é levar dinheiro vivo trocado já a partir do Brasil. Isso não quer dizer que você não vai fazer uso dos seus cartões, mas haja vista a diferença do IOF, vale a pena andar com mais dinheiro no bolso.

Quais as possibilidades de mudança no IOF?

Por fazer parte das medidas regulatórias da economia, esse tributo pode ser alterado a qualquer momento pelo Governo. Por isso, quando você estiver de viagem marcada, é sempre bom fazer uma pesquisa prévia dos percentuais, para confirmar as vantagens de todas as operações e ficar por dentro de como funciona o IOF.

Se você quer descobrir como economizar ainda mais nas suas férias siga o nosso Facebook e acompanhe nossos posts: tem sempre dicas importantes por lá!

Estamos em todos os Estados do Brasil.
Acre | Alagoas | Amapá | Amazonas | Bahia | Ceará | Distrito Federal | Espírito Santo | Goiás | Maranhão | Mato Grosso | Mato Grosso do Sul | Minas Gerais | Pará | Paraíba | Paraná | Pernambuco | Piauí | Rio de Janeiro | Rio Grande do Norte | Rio Grande do Sul | Rondônia | Roraima | Santa Catarina | São Paulo | Sergipe | Tocantins