Flutuações no Câmbio

A menos que tenha parado no tempo, você deve ter percebido que muitas das moedas mais fortes do mundo apresentaram um comportamento estranho em 2016, com os termos “máximo histórico” e “mínimo histórico” inundando as notícias financeiras. Se considerarmos a libra esterlina como exemplo: o seu valor sofreu um 28,4% em relação ao real brasileiro e um 14,39% frente ao euro, mas melhorou um 105,8% contra a libra egípcia.

Todos nós sabemos que as taxas de câmbio podem flutuar em qualquer momento, trata-se da comparação de duas moedas diferentes. No entanto, as razões que se escondem por trás dessas mudanças são mais difíceis de entender.

A raiz de toda esta flutuação é o princípio básico de oferta e demanda. Uma moeda é como uma maçaneta ou um iPhone 7: se há muita procura (que, muitas vezes, está ligado a uma baixa oferta), o produto será mais caro. Até aqui, tudo claro. Mas, o que provoca o aumento ou queda da demanda? Aqui é onde entram em jogo muitos fatores diferentes, desde a ações do governo para a confiança dos consumidores e a agitação política.

A oferta de moeda e as taxas de juro são dois dos fatores principais que afetam a demanda de uma moeda. Ambos os fatores podem ser controlados pelos governos e bancos centrais, que os utilizam como ferramentas para manipular suas economias. No Reino Unido, o Banco de Inglaterra, que fixa a taxa de câmbio oficial, conhecido como a taxa de juro oficial na Grã-Bretanha (Bank Rate, em inglês), que por sua vez influencia as taxas de débito e de crédito gerais. Na atualidade é de 0,25%, mas nem sempre é tão baixo, em novembro de 1979, chegou a um máximo de 17%.

A oferta monetária refere-se à quantidade total de dinheiro que está em circulação em um país. Quanto maior for a quantidade de moeda, menor será o valor desta em relação a outras moedas e vai cair a taxa de câmbio. Uma oferta monetária alta está relacionada com taxas de juros baixos (como explicamos antes, uma oferta maior significa uma menor demanda).

Por sua vez, as taxas de juros baixos também tendem a desvalorizar a moeda, porque os investidores obtêm piores retornos em seus investimentos nessa moeda. Pode parecer que as taxas de juros baixos são uma má notícia, mas há uma outra perspectiva a longo prazo que pode explicar por que os governos decidem descer às vezes, as suas taxas de juro. Estas implicam que a gente pede mais créditos e gasta mais, o que poderia fazer crescer a economia.

Também há de se prestar atenção a um outro fator importante, a famosa inflação. Se a taxa de inflação (a taxa de juro a que os preços está subindo) aumenta muito, porque a demanda de bens excede a oferta, pode causar instabilidade econômica e uma queda do valor da moeda. Em poucas palavras, as pessoas não podem ter recursos para comprar os mesmos produtos a que estão acostumados, então é provável que os negócios tenham problemas vendendo seus produtos e serviços. Um banco central pode tentar neutralizar a inflação, subindo as taxas de juro, o que obrigará as pessoas a economizar em vez de gastar em bens. Isto tem como resultado a queda da demanda e uma descida da inflação.

Por fim, a estabilidade é um fator fundamental relacionado com tudo o que foi dito até agora. Os mercados adoram e monitoram constantemente os indicadores econômicos e a atualidade para descobrir onde há estabilidade e onde não. Uma economia forte e estável, com uma confiança dos consumidores refletida em um alto grau de consumo, uma taxa de desemprego baixa, um mercado imobiliário florescente e um aumento do Produto Interno Bruto (PIB), incentiva os investimentos e aumenta a demanda de moeda de um país.

No entanto, se o país está atravessando um período de instabilidade política, todos estes fatores econômicos tornam-se insignificantes. Muitas vezes, o mal-estar político é um mau presságio para a economia de um país, já que desestimula o investimento estrangeiro e implica, com frequência, a queda da demanda de moeda e, portanto, de seu valor a nível mundial. Por exemplo, a incerteza em relação às repercussões do Brexit levaram a libra esterlina cair gradativamente. Quando se trata de manter o valor de uma moeda a longo prazo, a confiança e a estabilidade são palavras-chave.