Fique por dentro dessas 4 formas de levar dinheiro para o exterior

Fique por dentro dessas 4 formas de levar dinheiro para o exterior

Uma das maiores dúvidas na hora de planejar uma viagem é: qual a melhor maneira de levar dinheiro para o exterior? É importante escolher uma forma para levar a maior parte do dinheiro, mas o ideal é ter mais de uma opção para utilizar em emergências e em momentos em que a forma principal não for aceita. Veja as vantagens e desvantagens das principais opções:

Dinheiro

Pensando apenas na questão financeira, levar dinheiro em espécie para o exterior é a melhor opção, já que o imposto cobrado é de apenas 1,1% — isso significa que a cada mil reais convertidos em moeda estrangeira você pagará 11 reais de imposto. Além disso, a cotação da moeda costuma ser menor para dinheiro em espécie do que para os cartões.

A grande desvantagem dessa opção — que pode se tornar um enorme problema — é que essa é a forma menos segura de levar o dinheiro. Você pode perdê-lo ou ser roubado, e isso trará um grande prejuízo, já que não será possível recuperá-lo.

Cartão de crédito

Apesar do alto imposto — 6,38% —, o cartão de crédito é uma boa opção pela sua segurança e por ser aceito na maioria dos locais, em qualquer país. Além disso, as compras no cartão de crédito podem ser revertidas em milhas, uma excelente vantagem. É importante lembrar que o cartão deve ser internacional e, antes de viajar, é necessário entrar em contato com o banco e liberá-lo para uso no exterior. Mesmo que essa não seja a sua principal escolha para levar dinheiro para o exterior, é importante sempre ter um cartão de crédito para emergências.

A desvantagem é que você não sabe o valor que pagará até chegar a fatura. O valor é definido a partir da cotação da moeda no dia do fechamento da fatura, portanto, se houver uma alta repentina você poderá pagar altos preços que não estavam planejados.

Cartão pré pago

Essa talvez seja a melhor opção para levar para o exterior, já que os cartões pré-pagos ou “travel cards” são muito práticos e versáteis. Você determina o valor de moeda estrangeira que quer carregar no cartão e, quando chegar no exterior você o utiliza como se fosse um cartão de crédito, mas o valor vai sendo automaticamente debitado.

As vantagens são que você paga um valor pela moeda no dia de carregar o cartão e depois não precisa se preocupar se ela subir — então não terá surpresas no fim da viagem —, além de ser mais fácil controlar os seus gastos. Com o cartão pré-pago você também pode sacar dinheiro em espécie no exterior, mediante o pagamento de uma taxa por saque. Além disso, se perder ou for roubado, você pode bloquear o cartão e continuar usando o cartão reserva.

As desvantagens são que geralmente só existem cartões de dólar e euro, então se você for para um país que utilize outra moeda, terá que fazer o câmbio entre real e a moeda do cartão e depois entre a moeda do cartão e a do país — o que fará com você perca um pouquinho de dinheiro. Além disso, se você não utilizar todo o dinheiro carregado no cartão, não será possível pegá-lo de volta, então você terá que esperar até a próxima viagem para usá-lo.

Cheque de viagem

Essa não é uma forma tão comum nem muito prática para levar dinheiro para o exterior, mas é uma maneira bem segura. Os cheques de viagens podem ser trocados por moeda no exterior ou podem pagar despesas em locais que o aceitem. A grande vantagem é que ele possui seguro contra roubo ou perda e, caso isso aconteça, o banco reembolsa o dono do cheque.

A desvantagem é que, além do IOF — que assim como os cartões é de 6,38% —, as casas de câmbio ou estabelecimentos no exterior costumam cobrar uma taxa para trocar ou receber os cheques de viagens.

Cada maneira possui seus prós e contras, portanto é preciso analisar qual a melhor opção para você e sua viagem. Não deixe de compartilhar esse post nas suas redes sociais e com seus amigos que pretendem viajar para o exterior!

//]]>