(ESTENDER + 500) Veja como se planejar para uma viagem internacional

(ESTENDER + 500) Veja como se planejar para uma viagem internacional

Para você não correr o risco de transformar as suas férias em frustração, montamos este guia com 6 dicas para planejar uma viagem internacional antes do embarque. Além do tempo, o dinheiro deve pesar nas suas escolhas. A seguir, você verá alguns detalhes que vão fazer a diferença para você viajar tranquilamente.

1. Estude o destino e o deslocamento

Se você já tem um destino em mente, é hora de iniciar as pesquisas para descobrir se ele é mesmo viável. Nesse sentido, os países, em sua maioria, são bastante receptivos em relação aos turistas brasileiros. No entanto, algumas regras podem dificultar a sua entrada, além dos contratempos climáticos, que também devem ser considerados. 

Por exemplo, se você quer ir aos Estados Unidos ou ao Japão vai precisar de um visto emitido no Brasil. Isso requer antecedência e o pagamento de taxas extras.

Se o seu interesse é o Caribe, precisa ficar atento ao período dos furacões, que tem início em agosto e segue até novembro. O mesmo cuidado serve para lugares cujos períodos de temperaturas muito baixas ou elevadas podem coincidir com as suas férias. As monções climáticas podem acabar com o seu sonho de conhecer o sudeste asiático e o frio congelante suspender os principais passeios pela Patagônia argentina.

Portanto, defina o seu destino de acordo com o seu desejo, é claro, mas também de olho na época na qual a viagem acontecerá.

Além das intempéries climáticas, esteja sempre alerta quanto às recomendações de saúde e surtos. Além disso, vale a pena buscar informações nos noticiários locais para descobrir feriados que podem superlotar e encarecer as hospedagens e até mesmo eventuais conflitos pelos quais passa o país.

Depois de escolher o local da sua aventura internacional, defina quais são os seus pontos de interesse e comece a desenvolver um roteiro.

A partir disso, tenha em mente que as suas férias são um momento para relaxar, portanto nada de querer conhecer tudo ao mesmo tempo para não ficar cansativo. Experimente deixar espaços livres na sua agenda: eles costumam ser os mais proveitosos do dia!

A sua viagem vai passar por mais de uma cidade? Estude também as melhores formas de ligar um município ao outro e pesquise as empresas locais de trem, avião, ônibus ou até mesmo de aluguel de carros, contando as horas que perderá com os deslocamentos.

2. Defina o seu orçamento

Estabeleça exatamente quanto você pode gastar em toda a viagem. Sobretudo, tendo em mente que as cidades têm custos diferentes entre si. Uma dica é acessar plataformas que fazem uma média dos gastos nos principais destinos do mundo. O Quanto Custa Viajar é uma delas.

Para você ter uma ideia, a cidade de Nova Iorque, por exemplo, é muito mais cara para os turistas do que Budapeste. Por isso, defina de antemão um valor diário para as refeições, compras, transportes, ingressos para atrações, entre outros gastos necessários.

O mais importante é saber que a maioria dos destinos podem ser adaptados ao seu orçamento diário, portanto, basta que você se molde a eles. Uma dica valiosa é: limite o número de atrações pagas e aproveite para explorar parques e atrações gratuitas.

Economize também na alimentação e pague por hotéis que já ofereçam café da manhã e quartos equipados com micro-ondas e frigobar. Desta forma, você pode visitar os supermercados e trazer, vez ou outra, algo para comer em “casa”.

E por falar em economia, comece fazendo-a já do Brasil. Que tal acumular pontos no seu cartão de crédito para trocar por milhas aéreas ou limitar o número de saídas durante a semana? Se você quer realmente embarcar para o exterior, comece a poupar a partir de agora, pois não existe destino impossível quando se passa a planejar uma viagem internacional antecipadamente.

3. Compre moeda estrangeira

Em geral, o ideal para viagens internacionais é levar dinheiro em espécie, com câmbio feito no Brasil, e usar pouco o cartão de crédito, já que as suas taxas são muito altas.

Para maior segurança, vale optar pelos cartões pré-pagos que você pode comprar nas casas de câmbio, mas não esqueça dos 6,38% de IOF que são cobrados nessas operações. Acima de tudo, fique de olho na cotação da moeda e assista aos noticiários econômicos para garantir a melhor taxa.

4. Faça um seguro viagem

Independentemente de o destino exigir ou não, antes de viajar, faça um seguro viagem ainda no Brasil. É a melhor forma de não estragar os seus dias no estrangeiro por conta de uma dor de barriga, por exemplo. Sim! Por mais simples que seja um problema como esse, sem o diagnóstico adequado e a medicação correta, você pode passar a maior parte dos seus dias reservados para ir aos parques da Disney, no banheiro do hotel.

Alguns cartões de crédito internacionais oferecem esse serviço. Mas, se não tiver, você pode contratar o seguro diretamente de uma agência de turismo ou uma seguradora.

Para não errar na escolha, saiba que existem dois tipos de seguro:

  • o ‘Assistência de Viagem’, que paga todas as suas despesas, marca a consulta médica e te encaminha para o hospital mais próximo; e
  • o ‘Seguro Viagem’ que você precisa pagar com o seu dinheiro pelo atendimento, recebendo o reembolso depois. 

Outro detalhe que exige a sua atenção na hora de contratar um seguro é informar especificamente todas as cidades pelas quais você vai passar, inclusive as conexões ou passeios rápidos.

Por exemplo, se você vai ficar alguns dias em Bruxelas, durante a sua trip pela Europa, não esqueça de incluir que você vai a Bruges em um bate-volta. Isso vai fazer toda a diferença caso você precise de um médico durante a sua breve passagem por lá.

5. Prepare-se para a alfândega

Na volta para o Brasil, poderá ser necessário declarar os bens tributáveis adquiridos no exterior e os seus respectivos valores. Assim, se o valor total de bens tributáveis exceder a cota de isenção fiscal para o seu tipo de viagem, o viajante terá de contribuir com a alíquota de 50% sobre a quantia excedente. Por isso, guarde as notas ficais para comprovar os valores dos itens comprados durante a viagem.

6. Pesquise sobre seguro bagagem

Uma das maiores frustrações que se pode ter durante uma viagem é ter a bagagem extraviada. Para evitar esse contratempo, o seguro bagagem aparece como uma solução mais do que indicada. Normalmente, os seguros cobrem extravio, roubo, furto ou destruição da bagagem, portanto, vale a pena contar com essa proteção se a sua viagem durar mais de sete dias.

Porém, o seguro de malas não cobre perda, roubo ou furto de objetos de dentro da mala, nem mesmo atraso na entrega. Por isso, assim que notar que a sua bagagem foi extraviada, dirija-se a um atendente da companhia de viagem e preencha o formulário adequado para essa situação.

Depois disso, a companhia tem até 21 dias para localizar a sua mala e terá de pagar a indenização, caso esse prazo não seja obedecido. Lembre-se: situações como essa devem ser previstas para planejar uma viagem internacional com mais segurança.

E você, não vê a hora de carimbar o seu passaporte mais uma vez? Assine a nossa newsletter e receba dicas internacionais como estas no seu e-mail.  

//]]>