Diferenças entre Dólar Turismo e Dólar Comercial

Diferenças entre Dólar Turismo e Dólar Comercial

Com a melhora da economia nos últimos anos e o aumento da classe média, viajar ao exterior passou a fazer parte da rotina de diversas famílias. Com este novo fenômeno, muitas pessoas passaram a se interessar pela cotação do dólar, em especial do dólar turismo e dólar comercial.

O tema, aliás, desperta muitas dúvidas não apenas entre turistas, mas também entre brasileiros que precisam comprar a moeda norte-americana para outras transações e se deparam com cotações diferentes.

Para explicar exatamente quais as diferenças entre os dois tipos de dólar, porque suas cotações variam tanto e como não gastar tanto na hora da compra preparamos um texto com diversas informações sobre o tema.

Dólar turismo x dólar comercial

Ao entrarmos em uma corretora de valores ou uma agência de turismo, além das fotos de paisagens paradisíacas (principalmente no caso desta última), nos deparamos com painéis eletrônicos com a cotação de dois tipos de moedas: dólar turismo e dólar comercial.

Se observarmos atentamente estas mesmas cotações perceberemos que os números variam bastante. Não em questão de velocidade, já que a cotação do dólar não costuma oscilar tão rapidamente quanto a da bolsa, mas em valores propriamente ditos.

Em geral, o preço pago pela compra do dólar turismo costuma ser muito mais caro do que o valor cobrado para que você adquira a modalidade comercial. Imagina por quê?

Antes de explicarmos o que motiva esta diferença é preciso explicar do que se trata o dólar turismo e o dólar comercial. Vamos lá?

Dólar comercial

O dólar comercial é utilizado por grandes empresas para comprar ou vender mercadorias no Brasil ou no exterior.

Esse tipo de dólar também serve de referência para movimentações financeiras realizadas pelo governo em outros países e para regular os empréstimos de brasileiros que vivem no exterior.

Em geral, bancos comerciais e empresas negociam as taxas que serão cobradas pelas operações com dólar comercial para definir suas posições no comércio exterior e no envio de capitais, ou seja, adotam esse movimento para saber, anteriormente, quanto gastarão com a compra e venda da moeda.

No entanto esta postura nem sempre é possível, pois as operações costumam ser realizadas durante o expediente bancário, influenciando assim no preço pago pelas empresas ao longo do dia.

A cotação diária do dólar comercial, aliás, é definida pelo mercado. Ou seja, em dias com maior demanda pela moeda ou notícias vindas do exterior ou mesmo da economia e política brasileira podem levar seu preço para cima ou para baixo.

Porém, em algumas situações, o Banco Central se utiliza de algumas ferramentas para reduzir ou elevar artificialmente sua cotação. Um destes mecanismos é o leilão de swap cambial.

Aqui, a autoridade monetária compra ou vende dólares para pronta entrega ou para concretização da operação em um período futuro, estabelecendo quanto será pago ao comprador nesta ocasião.

No dólar comercial existe ainda uma cotação oficial, a Ptax. Seu valor é definido pelas seguintes variáveis: importação, exportação, compra e venda do departamento financeiro das empresas.

Outros fatores que influenciam a cotação do Ptax são a negociação de compra e venda entre bancos, o movimento interbancário.

dolar comercial

Dólar turismo

O dólar turismo é utilizado principalmente para gastos durante as viagens ao exterior.

Com ele são pagas, por exemplo, passagens aéreas, gastos em estabelecimentos internacionais e também para converter compras e outros débitos feitos com moeda estrangeira em seu cartão de crédito.

Porque o dólar turismo é mais caro que o dólar comercial?

Quem já precisou comprar a moeda americana notou que a cotação do dólar turismo é sempre maior que aquela praticada no dólar comercial. Você sabe por quê?

Embora a cotação de uma moeda seja definida, em teoria, pela procura da moeda (normalmente a taxa cobrada durante a compra é mais cara do que a aplicada para a venda), no caso dos dois tipos de dólar esse preço é calculado de forma diferente.

Para a compra do dólar turismo é preciso ter dinheiro em mãos, tornando a operação mais cara para a corretora, o correspondente cambial ou o banco onde o consumidor irá adquirir a moeda.

Por isso, as casas de câmbio repassam para a cotação custos com transporte, manutenção, seguro pago em caso de roubo e também tentam recuperar parte do prejuízo que acumulam ao não receber a remuneração paga aos juros brasileiros.

Como economizar na compra de dólar turismo?

Com o valor de sua cotação muito alta em comparação ao dólar comercial, o turista que precisa comprar dólar turismo para custear sua viagem precisa tomar alguns cuidados para evitar surpresas desagradáveis.

Planeje a viagem com antecedência

A menos que seja algo de última hora, para economizar na compra do dólar turismo, a principal recomendação dos especialistas é que o consumidor planeje a viagem com antecedência.

Antes de comprar a moeda acompanhe a cotação diariamente, e vá comprando dólar aos poucos, para não perder dinheiro com a variação do preço, inevitável, até a data da viagem.

Evite também deixar essa compra para a última hora, pois as chances de pagar mais caro na cotação do dólar turismo são maiores.

Planeje ainda quanto irá gastar em cada dia de sua viagem, assim você saberá exatamente quanta moeda precisa comprar.

Pesquise e compare os preços cobrados pelas corretoras

Mesmo que você tenha aquela corretora de confiança, que lhe dá certas vantagens se adquirir com eles o dólar turismo, para economizar na hora da compra é importante que o consumidor pesquise.

Visite outras casas de câmbio ou agências de turismo e veja qual a cotação da moeda está sendo oferecida até a data de sua viagem.

Recorra á internet para tornar esta tarefa mais simples. Existem sites especializados, que reúnem as principais corretoras ou acompanhe, ainda, o levantamento feito pelo site do Banco Central.

Embora os dados trazidos ali não sejam atualizados diariamente, o turista pode conhecer os preços cobrados por diversas empresas e fazer suas pesquisas mais facilmente.

Evite trocar dólares em estabelecimentos no aeroporto

Embora seja mais cômodo, e até mais prático, recorrer a casas de câmbio localizadas em aeroportos pode ser uma péssima ideia para o seu bolso, pois estes estabelecimentos costumam praticar cotações de dólar turismo muito mais caras do que as corretoras instaladas em outros locais.

Ao utilizar cartões pré-pagos, evite adquirir o produto em estabelecimentos que cobrem taxa de compra ou de emissão deste meio de pagamento.

Negocie a taxa cobrada pela corretora

Antes de “bater o martelo” e fechar a compra do dólar com a corretora, tente negociar a taxa cobrada pela moeda. As recentes oscilações no mercado abriram margem para que o consumidor negocie com os estabelecimentos o valor desta compra.

Prefira pagamentos em dinheiro

Uma boa alternativa para economizar com o dólar turismo é levar dinheiro em espécie, evitando assim gastos com cartão de crédito.

A alíquota de IOF incidente sobre o dinheiro em espécie é menor do que a aplicada em cartões de crédito e débito. Além disso, as compras com cartão de crédito podem trazer surpresas.

A cotação do dólar aplicada na fatura não é aquela que você viu quando comprou a passagem ou planejou a viagem, e sim a que estava em vigor no dia em que a fatura de seu cartão foi fechada.

Compreender as diferenças entre dólar comercial e dólar turismo é fundamental para não errar na hora da escolha.

dolar turismo