Desbravando a Coréia do Sul

Desbravando a Coréia do Sul

Desbravar a Coreia do Sul é um trabalho muito mais simples do que você possa imaginar. As opções de transportes no país do Extremo Oriente são muitas, todos os veículos são pontuais e muito rápidos. Seja de trem ou ônibus, o viajante pode escolher o seu destino, para depois escolher as diferentes opções e horários. As estações de ônibus de viagem e autocars, são várias em cada grande cidade, por isso é interessante procurar sempre aquela combinação que deixe-nos mais perto de nosso destino final, nesse caso o hotel ou o lugar que você deseja visitar em cada lugar.

Neste post, vamos desbravar um pouco desse lindo país asiático em busca de um dos templos mais importantes da Coréia do Sul. Nosso roteiro começará em Seul e chegaremos a Busan, uma grande cidade ao sul desse pequeno grande país.

Nossa viagem começa visitando o Templo Jogyesa, no coração da cidade. Talvez não seja o mais impressionante de Seul, mas é o centro do budismo zen na Coreia. Nele se encontram o escritório principal da administração do budismo coreano e a sala onde se realiza a assembleia geral. No altar do templo Jogyesa, por ser o lugar mais sagrado e honrado do budismo na Coreia, são realizados eventos, cerimônias e ritos durante todo o ano.

Ao longo da visita, não se esqueça de ver o pagode de pedra de sete andares que há no pátio do templo, já que em seu interior estão enterradas as cinzas de Buda que foram trazidas em 1914 por um monge cingalês.

Para deixar Seul iremos para a Estação Central para de lá pegar um trem rápido (KTX) que em duas horas nos levará até a estação de Daegu, uma grande metrópole, no centro do país. Esta cidade é a base perfeita para chegar até o Templo Haeinsa, provavelmente o mais conhecido e importante de Coreia, pois nele se guarda a Tripitaka Corana, que é a mais completa coleção de textos budistas do mundo e que foi gravada em 80.000 blocos de madeira, entre os anos de 1237 e 1249.

Este templo, com uma excepcional localização nas montanhas, foi designado como Patrimônio Cultural da Humanidade, em dezembro de 1995.

foto do Templo Haeinsa

Deixamos Daegu em um ônibus rumo a Gyeongju. Saímos da estação de Dongdaegu, a que se pode chegar sem problema no metrô. A partir dela e no ônibus que partem de hora em hora, chegamos em pouco mais de 50 minutos à que foi capital do Reino de Silla. A uma curta distância da estação de ônibus, você pode subir para outro ônibus para desbravar a cidade e chegar até a Gruta Seokguram, o templo de pedra mais representativo da Coreia do Sul. Trata-Se de um templo artificial feito de granito e situado no pico oriental da montanha Tohamsan. Dentro da sala principal, de forma redonda, estão as estátuas de Buda e seus discípulos. Seokguram foi construído para preservar essas estátuas e do exterior, pode-se apreciar a cúpula artificial no interior, parece uma meia lua.

Teremos que voltar a subir em um trem em Singyeongju, uma estação afastada do centro da cidade de Gyeongju, para ir até Busan, outra das grandes cidades coreanas. Depois de uma viagem de 30 minutos, chega-se a uma cidade em que tudo é animado e moderno, mas basta subir em um autocar perto da praia Haeundae para chegar até um dos templos mais importante do país: o Haedong Yonggungsa. O que torna especial a este templo é que, ao contrário da maioria dos outros templos do país, que estão nas montanhas, a sua localização é junto ao mar. O som das ondas a quebrar-se contra as rochas e os cânticos budistas que soam durante todo o dia criam, sem dúvida, um ambiente harmoniosos e pacífico.

A Coréia do Sul, é uma viagem para guardar belas recordações, ideal para conhecer alguns dos locais mais importantes do budismo! Caso vá viajar para lá, lembre-se, a moeda em curso lá é o won sul-coreano.